fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Ana Barbosa Rodrigues
Escrito por:

Ana Barbosa Rodrigues Mestre em Medicina - Interna da Formação Específica de Pediatria

MSD Portugal
Com o apoio de:

MSD INVENTING FOR LIFE

O que são as Vacinas Extra Programa Nacional de Vacinação?

As vacinas extra PNV são vacinas que, estando disponíveis em Portugal, não estão contempladas na vacinação universal para todas as crianças (e por isso são pagas pelos pais e não disponibilizadas pelo Estado). Estas vacinas são no entanto importantes porque conferem proteção para algumas doenças que podem assim ser evitadas, caso o profissional de saúde a indique para que o teu bebé. Algumas vacinas podem também ser tomadas por ti para impedir que passes alguma doença ao teu bebé (ex: a vacina da tosse convulsa na grávida).

Podes sugerir e questionar o teu médico ou médica sobre as melhores opções para o teu bébé (ou criança), mas as vacinas precisam sempre de prescrição.

Quais são as Vacinas Extra Programa Nacional de Vacinação e a quem estão indicadas?

Estas são as vacinas fora do programa nacional da DGS, vamos ver uma a uma para saberes quando podem ser tomadas, quanto custa e que opções existem:

Vacinas contra a Meningite (N. meningitidis) do grupo B:

A meningite é a inflamação das membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal. Em particular, a do grupo B é uma doença causada pelo Meningococcus tipo B e que é mais comum no primeiro ano de vida dos bebés. As causas da meningite são de origem diversa, mas as infeções virais e bacterianas são as mais comuns.

Para quem é esta vacina, então? Na verdade, desde Outubro de 2020, esta vacina faz parte do PNV, para os bebés nascidos após o dia 1 de Janeiro de 2019. Mas, para as restantes crianças, continua a ser uma vacina extra plano. É indicada para crianças e para adolescentes, a título individual. Existem duas vacinas diferentes em Portugal, uma para bebés a partir dos 2 meses de idade e outra que pode ser tomada a partir dos 10 anos e durante a adolescência.

A vacina para os bebés é administrada em 2 doses com pelo menos um mês de intervalo (depende da idade) e tem posteriormente uma dose de reforço. Para os adolescentes, a vacina é dada em 2 ou 3 doses, dependendo do esquema de vacinação decidido pelo profissional de saúde.

Algumas coisas a saber:

  • Ambas as vacinas podem ser feitas ao mesmo tempo que as do PNV;
  • Efeitos secundários: febre, sensibilidade no local da injeção, alterações nos hábitos alimentares e irritabilidade;
  • Preço: 90-95€/dose.

Vacinas contra a Meningite (N. meningitidis) dos grupos ACWY:

Para sermos mais precisos, a bactéria meningococcus que causa a meningite de que falámos atrás divide-se em 5 tipos: A,B, C, W e Y. Esta vacina é para imunizar contra os tipos A, C, W e Y.

Indicada a crianças e adolescentes, a Direcção-Geral de Saúde recomenda esta vacina apenas para quem viaja para a Arábia Saudita, embora alguns pediatras aconselhem pais a imunizar os filhos no caso de viagens com estadias prolongadas ou quando se é residente em países onde a doença tenha uma presença constante ou sempre que exigido pela autoridade local.

A Sociedade Portuguesa de Pediatria recomenda também esta vacina para crianças e adolescentes com algumas doenças específicas (a saber, asplenia anatómica ou funcional, hipoesplenismo [mau funcionamento do baço], défice congénito de complemento) ou quando estas estão sujeitas a terapêuticas com inibidores do complemento relacionados com doenças imunológicas. Mas não te preocupes, os profissionais de saúde vão saber indicar-te se é ou não melhor imunizar o teu bebé com esta vacina, conforme o caso.

Há duas vacinas em Portugal de que o teu médico ou médica te podem falar: uma delas é administrada a partir das 6 semanas de idade e tem pelo menos duas doses, dadas com 2 meses de intervalo. Pode também vir a ter uma dose de reforço posterior. A outra opção é uma vacina de dose única (só se toma uma vez), administrada a partir dos 2 anos de idade.

Algumas coisas a saber:

  • Ambas as vacinas podem ser feitas ao mesmo tempo que as do PNV. A toma aos 12 meses pode substituir a vacina da meningite C contemplada no PNV;
  • Efeitos secundários: sensibilidade, dor e edema no local da injeção, alterações nos hábitos alimentares e irritabilidade, febre e sonolência;
  • Preço: 45-53€/dose.

Vacinas contra o Rotavírus:

O Rotavírus é um vírus que pode ter vários tipos e é uma causa comum de diarreia aguda em crianças com menos de 5 anos, sendo mais frequente entre os 6 e os 24 meses de idade. Desta doença e vacina já falámos em pormenor aqui. Mas, de forma resumida, é indicada a bebés, a título individual, como forma de prevenir os casos graves de gastroenterite aguda por Rotavírus. Em breve, esta vacina fará parte do Plano Nacional de Vacinação para algumas crianças com condições de saúde específicas, mas os pormenores ainda estão a ser definidos pela DGS.

Existem duas vacinas contra o rotavírus em Portugal, uma delas cobre mais tipos de rotavírus do que a outra:

  • A pentavalente cobre 5 tipos de vírus e é tomada em 3 doses. A primeira dose pode ser administrada a partir das 6 semanas de vida e nunca depois das 12 semanas. Deve existir um intervalo mínimo de 4 semanas entre cada dose, e a 3ª dose deve ser feita até às 32 semanas de vida (cerca de 7 meses e meio).
  • A outra vacina é monovalente (ou seja cobre 1 tipo de vírus) e é tomada em 2 doses. A primeira dose pode ser administrada a partir das 6 semanas de vida e, preferencialmente, antes das 16 semanas. Deve existir um intervalo mínimo de 4 semanas entre cada dose, e a 2ª dose deve ser feita até às 24 semanas de vida.

Algumas coisas a saber:

  • Efeitos secundários: febre, diarreia e dor de barriga, irritabilidade, sintomas de constipação como ranho;
  • Qualquer uma destas vacinas pode ser administradas ao mesmo tempo do que as outras vacinas do Plano Nacional de Vacinação;
  • A administração da vacina deve ser adiada em crianças com diarreia aguda, vómitos ou doença febril grave;
  • Preço: 51-57€/dose.

Vacina contra o vírus do Papiloma Humano (HPV) no rapaz:

Esta é outra doença e vacina que já abordámos com especial atenção aqui. O Vírus do Papiloma Humano, também é conhecido por HPV, transmite-se por via sexual (incluindo contato orogenital) e é muito fácil a sua transmissão. Infeta sobretudo a pele e as mucosas. Está associado a quase 5% de todos os cancros!

A vacina não é para bebés, mas uma mamã informada é uma mamã prevenida e nunca é cedo de mais para preparar a vida dos nossos filhos. Estamos a incluir a vacina contra o HPV como Extra Plano, mas na verdade faz parte do Programa Nacional de Vacinação (PNV) – só não é gratuita em todas as situações.

Nas raparigas, a vacinação é grátis caso esta se inicie até aos 17 anos de idade. Se a rapariga fizer uma dose até aos 17 anos, pode terminar o esquema de vacinação gratuitamente até aos 26 anos. Nos rapazes nascidos a partir de 2009 a vacina também é gratuita e é administrada aos 10 anos. Mesmo os rapazes que, por algum motivo, não sejam vacinados aos 10 anos, podem continuar a ir ao Centro de Saúde e fazer a vacina gratuitamente, desde que seja antes de completarem os 18 anos. A prevenção contra o HPV não tem limite de idade e é também aconselhada pela Soc. Portuguesa de Pediatria a todos os rapazes adolescentes nascidos antes de 2009 (extra PNV) e pela Soc. Portuguesa de Ginecologia a todas as mulheres. Podes saber mais pormenores no site hpv.pt!

Algumas coisas a saber:

  • Sempre que possível, a vacina deve ser feita antes do início da atividade sexual, mas pode continuar a fazer sentido a prevenção deste vírus na vida adulta (fala com o teu médico/a);
  • Administração em 2 doses com intervalo mínimo de 5 meses e deve ser completada num período de 13 meses; a partir dos 15 anos deve ser feito um esquema de 3 doses;
  • Pode ser feita ao mesmo tempo que as outras vacinas do PNV;
  • Efeitos secundários: sensibilidade, dor e edema no local da injeção, cefaleia, febre, náusea, cansaço, dor abdominal e diarreia;
  • Preço: 134€/dose.

Vacina da gripe:

A gripe é uma doença provocada por vírus que afetam principalmente as vias respiratórias. Os vírus da gripe estão em constante mutação e por isso, infelizmente, a imunidade provocada pela vacina não é duradoura. Por este motivo, as pessoas de grupos de risco (pessoas com doenças crónicas e idosos) devem vacinar-se todos os anos.

Mas se a vacina é apenas para aos grupos de risco, porque estou a ler isto na Dra. Cegonha? Então, se as crianças estiverem em contacto com alguém do grupo de risco e se existir disponibilidade da vacina após a vacinação desses grupos, esta pode ser dada a crianças dos 3 aos 5 anos.

Em Portugal temos a vacina tetravalente inativada contra a gripe, que é administrada em 1 dose, anualmente – as crianças vacinadas pela primeira vez devem fazer 2 doses, com um intervalo de pelo menos 4 semanas.

Algumas coisas a saber:

  • Quando indicada, deve ser feita preferencialmente até outubro;
  • Efeitos secundários: ligeiros – dor no local da vacinação; para as crianças entre os 3 e os 5 anos – sonolência, irritabilidade e perda de apetite.

Vacina contra a varicela:

Toda a gente conhece esta, não é? A varicela é uma das doenças mais comuns na infância (sobretudo entre os 2 e 8 anos). É bastante contagiosa! Rapidamente transmitida através da tosse ou espirros. É caracterizada por bolhas com líquido que provocam muita comichão e pode afetar a pele toda. Se na grande maior parte dos casos não passa de um ligeiro mau estar, que dura entre 5 a 7 dias, noutros casos pode causar problemas graves como: desidratação, infeções cutâneas, pneumonia, encefalite (inchaço do cérebro) e meningite viral.

A vacina da varicela não faz parte do PNV em Portugal. Como a grande maioria da população apanha varicela na infância – cerca de 95%, a vacinação é sobretudo feita em adultos e adolescentes que não tenham tido varicela durante a infância (nos adolescentes do sexo feminino deve ser excluída possibilidade de gravidez). No entanto a vacina está indicada a partir dos 12 meses e há médicos que as recomendam na idade pediátrica. A Sociedade Portuguesa de Pediatria recomenda apenas para grupos de risco, mas se és mamã ou estás a pensar ser, é importante que saibas tudo sobre esta vacina e verifiques se tu ou alguém da tua família poderão fazer parte deste grupo:

  • Mulheres não imunes antes da gravidez;
  • Pais de crianças jovens, não imunizados;
  • Adultos ou crianças que contactam habitualmente com doentes imunodeprimidos.

Algumas coisas a saber:

  • Preço: 41-46€.

Vacina contra a hepatite A:

A hepatite A é uma infeção aguda do fígado provocada pelo vírus da hepatite A.

Os sintomas da hepatite A podem ser: febre, mal-estar, náuseas, vómitos, dor abdominal, falta de apetite, urina escura ou icterícia (a pele e parte branca dos olhos adquirem uma cor amarelada). A frequência dos sintomas depende, normalmente, da idade do doente. Em crianças com idade inferior a 6 anos, a infeção só causa sintomas em menos de 30% dos casos, e somente 10% desenvolvem icterícia.

Condições de saneamento adequadas, segurança alimentar e a vacinação são as formas mais eficazes de combater a hepatite A. Em relação à vacinação, a vacina contra a hepatite A é composta por duas doses, para que se consiga obter uma proteção duradoura. A primeira dose é administrada entre os 12 e 23 meses de idade e a segunda é administrada 6 a 18 meses depois. O preço é aproximadamente 20€.

Porque fazer as Vacinas Extra Programa Nacional de Vacinação?

A realização de vacinas fora do PNV tem como principal objetivo a proteção individual da criança, por isso baseia-se numa decisão individual dos pais em conjunto com as indicações do seu médico assistente – ou seja, fala com o teu médico/a e ponderem os riscos e benefícios tendo em conta o contexto da criança e sua saúde e claro, as vossas possibilidades económicas. As vacinas são recomendadas por conferirem proteção contra doenças infeciosas, para as quais não há imunidade de grupo, e que podem progredir para desfechos imprevisíveis.

Como tenho acesso às Vacinas Extra Programa Nacional de Vacinação?

Para ter acesso às vacinas fora do PNV basta ter uma prescrição do médico assistente para poder comprar a vacina na farmácia, que será posteriormente administrada no Centro de Saúde. Nalguns hospitais privados estas vacinas estão também disponíveis para compra e administração imediata.

É importante saber que todas as vacinas têm de ser mantidas a baixas temperaturas entre o momento da compra e da administração. Leva contigo uma bolsa isotérmica com um saco de gelo ou algo semelhante, que ajude a manter baixa a temperatura da vacina, no momento do transporte.

Em casa deves guardá-la no interior do frigorífico (a porta não é o melhor local por estar mais exposta a diferenças de temperatura).

Partilhar