fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Manuela Cardoso
Escrito por:

Manuela Cardoso Nutricionista; Docente de Nutrição Pediátrica; Colaboradora do Banco do Bebé

A alimentação do bebé: Introdução de alimentos sólidos

A introdução de alimentos sólidos é um marco importante na vida do bebé e pode envolver alguma insegurança, quer em relação ao momento certo, quer quanto aos alimentos a utilizar.

Quando introduzir alimentos ao bebé?

O momento certo é aquele em que o bebé tem a necessária coordenação de    movimentos. As competências alimentares dos bebés evoluem, em regra, desta forma:

  • Quando nascem, conseguem apenas fazer o movimento de sucção.
  • Por volta dos 4 meses, adquirem a capacidade de retirar alimento de uma colher, largando a colher em vez de a utilizar como tetina.
  • Aos 7 meses, podendo ser um pouco antes ou um pouco depois, as crianças desenvolvem a capacidade de fazer movimento de báscula (abrir e fechar) com os maxilares, em vez de simplesmente deglutirem o alimento que retiram da colher. Este é o primeiro movimento de mastigação e é absolutamente independente da existência dos dentes.

É muito importante que vos diga que cada criança tem o seu tempo e, apesar de existir a capacidade de comer com a colher aos 4 meses, continua a ser recomendado o aleitamento materno exclusivo até aos 6 meses de vida.

Por muito entusiasmados que os nossos bebés se mostrem com a mastigação, o processo pode não ser assim tão fácil. Nos primeiros tempos a execução dos novos movimentos começa por ser um pouco descoordenada. Conhecem crianças que mastigam e “guardam” os alimentos nas bochechas?  Muito provavelmente mastigam e sugam em simultâneo, o que leva a que o pedaço de alimento que tentam mastigar se torne seco e difícil de deglutir. Podemos ajudar, oferecendo pequenos goles de água ou um pouco de sopa, se for o caso – ao humedecer novamente o alimento, facilitamos a continuação da mastigação e a deglutição.

Quais os alimentos a introduzir ao bebé?

Relativamente ao tipo de alimentos a oferecer no início deste “treino” e pela coexistência de movimentos de mastigação e sucção, estão contraindicadas as folhas (couve, por exemplo), que facilmente colam ao palato, perturbando todo o processo. Também não são facilitadores alimentos na forma de grão, como o arroz (e quando começar, que seja arroz carolino bem cozido) e aqueles cujos pedacinhos não podem ser esmagados com a gengiva (por exemplo, mação crua).

Em vez disso, aconselham-se alimentos moles cortados em pedacinhos, facilmente convertidos em puré. Em função das reações dos bebés devem ser tentadas outras texturas, com vigilância apertada é certo, mas estimulando sempre as suas competências.

Baby led weaning: O que é? É saudável?

Trata-se de uma forma de diversificação alimentas que começou como uma moda, sem base científica, mas que já motivou alguns estudos. Por definição, exclui qualquer alimento na forma de puré oferecido à colher. Tem por objetivos a construção da dieta sem imposição de quantidades de alimentos e o estímulo das capacidades motoras dos bebés.

Uma limitação apresentada em relação ao baby led weaning é a eventual carência de ferro, uma vez que ficam de fora os alimentos enriquecidos em ferro, habitualmente dados à colher. Por outro lado, e porque nos primeiros meses as crianças não têm capacidade para comer alimentos sólidos em quantidade suficiente, o aporte nutricional pode ficar comprometido. Mas a maior contraindicação apresentada em relação a este método é o risco de engasgamento. Em relação a isso, os seus defensores alegam que desde que os alimentos sejam adaptados à idade da criança, o risco de engasgamento não é superior ao das crianças alimentadas com purés.

Podemos ter o melhor dos dois mundos? Acredito que sim. Desde que a maturação neurológica dos bebés o permita e a família se sinta confortável com esta prática, pode haver lugar a uma introdução precoce, mas não exclusiva de alimentos sólidos. É importante que se garante o aporte nutricional, ao mesmo tempo que se põe em prática a educação alimentar.

Não há receita única, portanto. Se tivesse que vos dar palavras chave diria algo como: estímulo, tempo, vigilância, paciência e tolerância para com o voo de alguns alimentos do prato do vosso bebé para parte incerta… também pode acontecer!

Desfrutem e registem estes momentos da forma que mais vos agradar. Esta fase é única!

Partilhar