fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Carlos Daniel Santos
Escrito por:

Carlos Daniel Santos Mestre em Medicina, Licenciado em Saúde Ambiental e em Radiologia e investigador na área de Saúde da Mulher

Usar a cinta pós-parto ajuda-me a recuperar?

Durante os primeiros meses, após o nascimento do bebé, as mães necessitam de experienciar o máximo conforto e bem-estar. As cintas pós-parto são comunicadas como uma boa opção, no entanto as vantagens na recuperação da gravidez são muito limitadas e na maior parte dos casos a cinta pós-parto não é recomendada.

Durante a gravidez existem alterações por todo o corpo, sendo as mais visíveis e sentidas na zona abdominal e pélvica da mulher, fruto da distensão abdominal, do aumento do peso e da diminuição do tónus muscular, especialmente no terceiro trimestre da gravidez.

Os músculos abdominais vão sofrer pequenos estiramentos ao longo da gestação, alterando a sua tonicidade, o que envolve um pequeno deslocamento dos órgãos, de forma a se adaptarem às compressões provocadas pelo crescimento do bebé. Perante todas estas alterações é possível afirmar que estas podem provocar algum desconforto na mulher, especialmente no caso da cesariana, podendo também influenciar a capacidade de movimentação da mulher após o parto.

Usar cinta pós-parto. Sim ou não?

A mais recente evidência científica sobre o uso da cinta pós-parto, diz-nos que não é uma boa opção utilizá-la para a recuperação da musculatura abdominal, e se usada por um longo período, até pode contribuir para a redução da dimensão das fibras musculares, o que favorece a flacidez abdominal. No entanto, caso a mulher sinta dor e desconforto nos primeiros dias pós-parto, a utilização de cinta pós-parto pode ser equacionada, desde que apenas por um período breve, especialmente nos casos em que houve uma cesariana.

Quando devo usar a cinta pós-parto?

A cinta pós-parto deve ser utilizada em alturas específicas e desde que recomendada por um médico especialista, nomeadamente:

  • Num parto normal, caso a mulher sinta desconforto e incapacidade de movimentação após o parto, sendo que durante as primeiras 48 horas, a mulher deve repousar sempre que possível, sem fazer grandes esforços;
  • Em caso de cesariana, em que haverá uma ferida cirúrgica abdominal, a cinta pós-parto pode ajudar a diminuir a dor e o desconforto. Deves ter em atenção que a cinta pós-parto não deve ser colocada por cima da ferida abdominal. Antes de usá-la deves sempre questionar aos profissionais de saúde qual é a melhor forma de a colocar.

Qual é a cinta pós-parto ideal para mim?

Existem vários tipos de cintas pós-parto que podes encontrar nas lojas de puericultura ou nas farmácias: cintas de faixa abdominal com velcro, cinta tipo cueca (com e sem pernas) e cinta completa com busto para amamentação.

Deves sempre escolher a que melhor se adequa à tua situação, bem como aquela em que te sentes mais confortável. No entanto, é extremamente importante que fales primeiro com o teu médico, para que ele te possa aconselhar sobre a necessidade de usares cinta pós-parto, e se necessário, ele poderá ajudar-te a escolher o melhor modelo.

Como colocar a cinta pós-parto?

Antes de usar a cinta pós-parto deves sempre procurar as melhores indicações junto a especialistas de saúde, para que te possam explicar como deves colocar a cinta que escolheste, como deves usá-la diariamente e por quanto tempo. Dependendo do tipo de cinta que for indicada para o teu caso, e de acordo com a tua situação de saúde, o tempo de utilização da cinta pode ser aumentado ou reduzido, sendo que podes ter de usá-la apenas durante um período do dia ou da noite.

O mais importante é que te sintas confortável e que não sintas demasiada pressão sobre o abdómen (ou outras zonas tapadas pela cinta). É também importante que a cinta pós-parto ajude na tua capacidade de te moveres, e não o contrário.

Se não usar a cinta pós-parto, vou ter alguma complicação?

É essencial a promoção da atividade física moderada, preferencialmente sem o uso de cinta, uma vez que o uso da mesma não tem influência na involução uterina e pode, por vezes, comprometer a fisiologia das fibras musculares esqueléticas da região pélvico-abdominal, tornando a recuperação mais difícil.

Que tipo de exercícios físicos posso fazer?

Os exercícios físicos após o parto podem ser iniciados nos primeiros dias, no entanto, esta situação carece sempre de uma avaliação e opinião médica. Habitualmente, a recomendação passa por iniciar a retoma gradual de exercício físico a partir das 4-6 semanas após o parto, sendo que no caso de o parto ser realizado por cesariana, apenas ao final de um mês é que podem ser iniciados os exercícios abdominais. A prática de exercício físico contribui para um aumento da autoestima da mulher após o parto, influencia positivamente na execução de atividades diárias e até na prevenção da incontinência urinária.

A prática de exercícios aeróbicos de intensidade moderada são sempre ótimas opções, tais como caminhadas, natação, hidroginástica, ioga e pilates. Lembra-te que deves sempre contactar o teu médico antes de iniciar qualquer atividade física moderada, para que possa ser avaliada essa possibilidade. Recomendamos que tenhas em mente os seguintes passos para a realização do exercício físico pós-parto:

1) começar lentamente e aumentar gradualmente

2) evitar a fadiga excessiva e a desidratação

3) vestir roupa confortável e que suporte firmemente o abdómen e os seios

4) se sentires dor, deves parar e avaliar a situação e se necessário contactar o médico

5) se notares uma hemorragia de sangue vivo mais abundante do que um período menstrual, deves parar e contactar o médico.

Quando decidires que queres usar uma cinta pós-parto, deves sempre informar-te sobre as vantagens e desvantagens associadas ao uso desta. O mais importante é avaliares, em conjunto com uma equipa médica especializada, a tua dor e o desconforto causado pela mobilização durante o período pós-parto, de modo a adotares medidas promotoras de bem-estar.


Partilhar