fbpx
Filipa Lopes
Escrito por:

Filipa Lopes Blogger @ Nomes & Mais Nomes

“Posso escolher o nome do teu filho?”

Nos últimos dez anos, falei com inúmeros casais que lamentavam o facto de não terem escolhido o nome que desejavam para o seu bebé, por se vergarem à opinião dos familiares e amigos mais próximos. Casais que cederam à pressão externa, acabando por se resignar com uma alternativa que não os encanta, mas que, pelo menos, calou as críticas. Da perspectiva de quem também passou pelo processo, acho que é fácil sentir empatia com estes pais, que perante comentários tão apocalípticos, recuam, temendo cometer um erro que perdurará no tempo.

Não me entendam mal: haverá poucas pessoas que defendam com o mesmo vigor que eu a necessidade de pensar bem nos nomes que estamos a atribuir aos nossos filhos e isso inclui escutar a opinião das pessoas que são importantes para nós. No entanto, acho que os portugueses conseguem levar o escrutínio ao extremo, encontrando defeitos e más conotações em nomes perfeitamente legítimos e inofensivos. Se o nome é moderno, não tem grande credibilidade – pobre criança! Se é antigo, é nome de velho, coitada da criança! Já os nomes longos, esses são difíceis de aprender e os curtos não tem lá muita personalidade… E o argumento de que são nomes de animais, já ouviram? Pois é, cada cabeça sua sentença e os pais acabam por excluir os nomes preferidos das suas listas, numa tentativa de agradar a gregos e troianos. Como se não fosse difícil o suficiente conseguir encontrar um nome que agrade ao casal!

O que me inquieta mais é que esta intromissão se resume, quase sempre, a uma questão de gosto. E o gosto alheio tende a encaminhar os pais para os nomes da moda – sim, aqueles que há cinco anos eram impensáveis mas que agora são giríssimos!

Às grávidas que estão a ler este texto, deixo um apelo: reflictam bem antes de abdicaram do vosso nome preferido, seja ele qual for. Relevem as palavras azedas e imprudentes com que vos brindam, ignorem as opiniões e listas de sugestões não solicitadas. Quem escolhe o nome do vosso filho são vocês.