fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Carlos Daniel Santos
Escrito por:

Carlos Daniel Santos Mestre em Medicina, Licenciado em Saúde Ambiental e em Radiologia e investigador na área de Saúde da Mulher

O que é um bebé prematuro?

Em todo o mundo, nascem cerca de 15 milhões de bebés prematuros por ano, ou seja 1 em cada 10 bebés nasce prematuro. Em Portugal verifica-se uma taxa de prematuridade ligeiramente inferior, que ronda os 8%. Os avanços tecnológicos e a evolução do conhecimento médico têm contribuído para a diminuição do número de bebés prematuros que nascem, verificando-se uma tendência de sobrevivência de recém-nascidos prematuros cada vez mais alta. Em Portugal, a taxa de mortalidade neonatal é de 1,8/1000 nados vivos, o que nos coloca no 9º lugar entre 162 países, sendo o nosso país considerado um bom local para nascer e crescer.

Apesar de todos os desenvolvimentos na área da medicina, há certos fatores de risco que influenciam o nascimento de um bebé prematuro, sendo alguns deles não modificáveis (idade materna, restrição de crescimento fetal), mas outros poderão sê-lo (tabagismo, abuso de drogas e álcool).

Quando nasce um bebé prematuro?

É definido como bebé prematuro, quando o parto acontece antes das 37 semanas de gestação completas (menos de 259 dias) contadas a partir do primeiro dia da última menstruação. A Organização Mundial da Saúde define ainda o bebé prematuro, de acordo com a sua idade gestacional, em três subcategorias:

  • Prematuro extremo (menos de 28 semanas)
  • Grande prematuro (28 a 32 semanas)
  • Prematuro moderado a tardio (32 a 37 semanas)

O parto pré-termo pode acontecer de várias formas: em 35 a 40% dos casos é medicamente indicada, em 30 a 40% acontece depois da rotura de membranas (bolsa de águas) e em cerca de 20 a 30 % dos casos é espontâneo. O parto pré-termo é um acontecimento complexo e são conhecidos vários fatores de risco para a sua ocorrência, desde alterações bioquímicas, imunológicas, anatómicas e histopatológicas. Alguns estudos mostram que o parto pré-termo pode resultar de quatro mecanismos principais: mecanismos feto-maternos hormonais, inflamação, hemorragia decidual (do endométrio) e distensão anormal do útero. Embora existam diferenças em cada um destes mecanismos, todos eles estão na origem de um estímulo à contratilidade uterina e a alterações bioquímicas que levam à rotura de membranas e à modificação das características do colo do útero.

Quais os sinais de uma ameaça de parto pré-termo?

O parto pré-termo é o parto que ocorre depois do limite de viabilidade e antes das 37 semanas. Para que se designe que está a ocorrer um parto pré-termo é necessário que existam:

  • Contrações uterinas regulares e dolorosas
  • Apagamento ou dilatação do colo uterino

Os principais sintomas e sinais clínicos de que está a ocorrer um parto pré-termo poderão ser:

  • Pressão pélvica
  • Dor na coluna lombar
  • Dor abdominal (do tipo menstrual)
  • Pressão abdominal
  • Alteração ou aumento do fluxo vaginal, com ou sem sangue
  • Contrações uterinas

É normal o bebé prematuro perder peso?

A maioria dos bebés perde sempre algum peso quando nasce, sendo considerado normal uma perda de 10% do peso com que o bebé nasceu. Esta perda pode acontecer durante os primeiros 10 dias de vida e a recuperação do peso inicial pode acontecer até aos 3 meses de vida.

O bebé prematuro tem um maior risco de alteração do crescimento e desenvolvimento. Habitualmente são crianças pequenas, mas que ao longo do seu desenvolvimento poderão recuperar o seu crescimento. Em especial, durante os primeiros 2 a 3 anos de vida, ocorre um crescimento de recuperação (catch-up growth), primeiro para o perímetro da cabeça e depois para a estatura e peso, sendo que no final deste período, os valores antropométricos encontram-se, habitualmente, dentro dos limites da normalidade das curvas de referência.

A criança ex-prematura pode levar uma vida normal, no entanto, é importante que exista um programa de seguimento médico multidisciplinar para rastreio e intervenção precoce, bem como para apoiar e orientar as famílias de forma a maximizar o crescimento e o desenvolvimento até à vida adulta.

O que é a apneia num bebé prematuro?

A chamada apneia do bebé prematuro é uma situação clínica que surge em episódios de frequência variável. Caracterizada por pausas dos movimentos respiratórios, durante mais de 20 segundos, acompanhadas de alterações fisiológicas como alteração da cor da pele (tom azulado) e diminuição da frequência cardíaca. Pode ser classificada em 3 tipos:

1) Apneia central – interrupção simultânea dos movimentos respiratórios e do fluxo de ar;

2) Apneia obstrutiva – por obstrução das vias respiratórias, o que origina interrupção do fluxo de ar, continuando a verificar-se movimentos de expansão e retração do tórax;

3) Apneia mista (a mais frequente) – para além dos dois mecanismos anteriores, outros fatores poderão estar presentes, tal como anemia, alterações metabólicas, infeção, entre outros.

Qual é a alimentação adequada para um bebé prematuro?

Nas últimas duas décadas, houve grandes progressos científicos e tecnológicos em Neonatologia, que contribuíram para uma maior sobrevivência dos bebés prematuros, em especial com o aparecimento de novas fórmulas de alimentação.

Dependendo da idade de gestação em que nasce, o bebé prematuro pode ter que ser alimentado através das veias por soluções especiais. Depois, de acordo com o seu estado clínico, poderá ser alimentado através de sonda ou mesmo pela boca, com o leite da mãe.

É muito importante ter em conta o estado nutricional da mãe, tanto durante a gestação como depois de nascer. Um meio intra-uterino desfavorável pode provocar, na idade adulta do bebé ex-prematuro, hipertensão e diabetes. O leite materno, além da nutrição, exerce um poderoso efeito sobre o crescimento e maturação do intestino do bebé, promovendo o desenvolvimento de uma flora saudável, estimulando a produção de anticorpos, hormonas e muitas outras substâncias necessárias para uma boa absorção dos alimentos.

Descobre mais sobre “Como amamentar bebés prematuros”.

Embora o leite materno seja adequado às necessidades do bebé prematuro, alguns prematuros têm uma maior necessidade de proteínas, cálcio e sais minerais, por mais tempo. Para satisfazer esta exigência, foi criado um preparado rico em proteínas e outros nutrientes que muitas vezes é adicionado ao leite materno até o bebé atingir maior peso.

Quando a secreção do leite materno é insuficiente pode recorrer-se a fórmulas lácteas especialmente concebidas para bebés prematuros. Estes leites especiais são reforçados com calorias e nutrientes para que correspondam às exigências nutricionais, no período de crescimento rápido do bebé prematuro, e podem começar a ser dados ao bebé logo desde o internamento na maternidade.

Partilhar