fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Íris Seixas
Escrito por:

Iris Seixas Psicopedagoga, Colaboradora do Banco do bebé

Como brincar para ajudar no desenvolvimento do bebé? (6 aos 12 meses)

No último artigo dei a conhecer algumas formas de brincar específicas desde o nascimento até aos 6 meses, tendo em conta as características de desenvolvimento do bebé para cada etapa. Neste artigo vou dar continuidade a esse tema, incidindo no desenvolvimento desde os 6 meses até aos 12 meses.

Mais uma vez queremos que os pais sejam participantes activos nestas brincadeiras, pois sabemos que os bebés mantêm o interesse por mais tempo quando têm um adulto que interage com eles, que os incentiva, os guia e mais… que felicita cada conquista e que desafia para novas formas de brincar.

Dos 6 meses aos 9 meses

Vimos que aos 6 meses a maioria dos bebés começam a ficar sentados sem apoio, ou já são eficazes neste marco do desenvolvimento, o que se traduz num salto muito grande naquilo que o bebé passa a conseguir fazer pois ganha controlo e autonomia na escolha dos brinquedos, inclusive aos que estão mais longe e pretende alcançar.

Um cesto de tesouros, por exemplo, é um “mundo” rico em experiências e em novidades. Podemos colocar num cesto objectos que façam parte do quotidiano com texturas, formas, cores ou temperaturas diferentes e deixar que o bebé escolha. Temos que ser cuidadosos na escolha dos objectos para que não sejam perigosos para o bebé, (uma esponja de banho, colher de pau, colher de plástico, uma garrafa de plástico com massas, ou arroz, que faça sons diferentes, molas de roupa, tampa de tacho, retalhos de pano, são alguns exemplos). Podemos também incentivar a arrumação, ajudando a colocar os “tesouros” dentro do cesto novamente.

Mais perto dos 9 meses, se o bebé já for capaz de gatinhar, podemos pensar em construir túneis com caixas de cartão, ou com cadeiras e toalhas em volta delas. Colocar lá um brinquedo do interesse do bebé e deixar que ele vá à procura e o alcance.

Aos nove meses o bebé pode já apontar e pegar em objectos mais pequenos utilizando pinça fina (polegar e indicador), por isso podemos fazer bolinhas de papel e pedir que coloque num copinho.

Dos 9 meses aos 12 meses

Nos próximos meses o gatinhar vai ser uma competência cada vez mais fácil para ele, rapidamente vai aprender a chegar mais longe e para o ajudar podemos colocar-nos a uma certa distância, ou um objecto da sua preferência, para que ele seja incentivado a alcança-lo. Bater palmas e felicitar os sucessos do bebé vai promover a repetição. Aos poucos, por imitação, ele também vai aprender a bater palmas quando conseguir cumprir um objectivo seu.

Há medida que o trimestre avança, muitos bebés conseguirão colocar-se de pé quando apoiados numa mesa, ou num sofá, e brincar. Podemos deixar alguns objectos interessantes para que eles o vão procurar e tapar um ou outro com um pano para que o bebé sinta a curiosidade de o destapar, ainda que em alguns casos possa ser difícil e o bebé ainda não perceba que o objecto está lá escondido.

Há medida que os meses vão passando o bebé conseguirá dar uns passinhos apoiado na mobília ou agarrado ao adulto. Se for possível dar a oportunidade ao bebé de caminhar em diferentes pisos como areia, água, terra, relva é uma mais-valia para a estimulação sensorial. Em casa privilegiar o pé descalço ou o uso de meias anti-derrapantes, em vez de sapatos, promove este tipo de estimulação. Mas atenção: sendo que o bebé chega a mais lugares, torna-se importante uma constante vigilância e atenção aos perigos ao alcance do bebé.

É uma fase em que muitos bebés reagem ao estranho com apreensão e medo sendo que “o estranho” pode ser alguém conhecido, mas que o bebé veja menos vezes. O bebé sente receio quando os pais (ou um deles) se ausenta. Por oposição sente-se mais confiante e confortável na presença dos pais ou de figuras bem conhecidas e presentes na sua vida.

Palavras como “mamama…” ou “papapa…” começam a aparecer para chamar os pais. O gesto do adeus também pode ser repetido pela criança, bem como enviar beijinhos. São momentos de grande orgulho e entusiasmo para os pais porque evidenciam que a criança compreende e repete de forma intencional os gestos que vê.

As crianças são seres interactivos por natureza e o seu desenvolvimento pode ser tão mais rápido e adequado, quanto mais completas e ricas forem as experiências, daí que seja muito mais estimulante fazer parte das explorações e das brincadeiras do que deixar que ele se entretenha sozinho com a televisão.

Brincar com bebé e dar-lhe atenção é tão importante como alimentar e fazer a sua higiene e ele vai ficar tão contente por ter a atenção dos pais!!!

Partilhar