fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Carlos Daniel Santos
Escrito por:

Carlos Daniel Santos Mestre em Medicina, Licenciado em Saúde Ambiental e em Radiologia e investigador na área de Saúde da Mulher

MSD Portugal
Com o apoio de:

MSD INVENTING FOR LIFE

Vacina contra o Sarampo, Rubéola e Papeira

Sarampo, rubéola, papeira. Estas três doenças podem ser benignas ou deixar sequelas graves. No entanto, existe uma boa forma de prevenir o contágio, através da vacina combinada – VASPR (vacina contra sarampo, parotidite epidémica e rubéola), disponível para todas as pessoas, de forma gratuita. Descobre o que são estas doenças e como prevenir.

O que é o Sarampo?

O sarampo é uma doença infeciosa causada pela infeção pelo vírus Paramyxovirus, que se transmite pelo contacto direto com pequenas gotículas dispersas no ar quando uma pessoa infetada tosse ou espirra.

O período de contágio desta doença varia entre os 4 dias antes dos primeiros sinais e sintomas, até 4 dias após o início de erupções avermelhadas na pele. No entanto, em algumas pessoas imunocomprometidas, este período pode ser maior.

Estes são os sintomas do sarampo:

  • Os sintomas iniciais do sarampo são febre baixa, tosse, corrimento nasal e conjuntivite.
  • Depois de 1 a 2 dias, poderão surgir pequenas manchas redondas de cor avermelhada, com zona central acinzentada ou esbranquiçada, na área da boca e nas bochechas
  • Posteriormente, as manchas vão progredindo da cabeça, tronco, até aos membros.

Apesar dos sinais e sintomas algumas vezes exuberantes, o sarampo é habitualmente benigno.  No entanto, em alguns casos levar a complicações, como a otite média aguda, a pneumonia, a laringotraqueíte ou até mesmo a morte.

O que é a Rubéola?

A rubéola é uma doença transmissível e contagiosa, causada pelo vírus da rubéola, que se transmite através do contacto com pequenas partículas provenientes do trato respiratório de pessoas infetadas. Deve evitar o contacto e proximidade física com estas pessoas entre 5 a 7 dias após o aparecimento das erupções na pele. Após o contacto com o vírus, os primeiros sintomas poderão surgir apenas após 14 a 17 dias, ou por vezes aos 21 dias.

Estes são os principais sintomas

  • A maioria das infeções manifesta-se através de erupções na pele de tom roseado, com aspeto uniforme e liso.
  • As erupções começam na cara, evoluem para o pescoço, tronco e depois para os membros, sendo que geralmente desaparecem por volta do 3º dia.
  • Pode existir um aumento ligeiro dos linfonodos regionais, por trás das orelhas, na nuca, na cabeça ou até mesmo por todo o corpo.
  • Poderão também aparecer outros sintomas, como: febre baixa, dor de cabeça, mal-estar, conjuntivite ligeira, inflamação e corrimento nasal, dor nas articulações, falta de apetite, dor ao engolir e tosse.

O que é a Papeira?

A parotidite, também conhecida como papeira, é uma doença transmissível provocada pelo vírus Paramyxovirus, que provoca o inchaço de uma ou de ambas as glândulas parótidas, situadas à frente e debaixo de cada ouvido, na zona da mandíbula.

A contaminação ocorre através do contacto com a saliva de pessoas contaminadas, seja através de gotículas em dispersão no ar ou do toque em superfícies. Entre 2 dias antes e 6 a 9 dias depois do início dos sintomas, existe probabilidade de contaminação, pelo que deve ser evitado o contacto ou proximidade física com pessoas contaminadas durante esse período.

Os sintomas iniciais da papeira poderão demorar 12 a 24 dias a surgir e habitualmente são:

  • Dor de cabeça, perda de apetite, mal-estar e febre (39,5 a 40º C), que pode persistir durante 1 a 3 dias.
  • O inchaço das parótidas atinge o seu máximo por volta do segundo dia de contaminação e nos últimos 5 a 7 dias, estando extremamente sensíveis durante todo o período febril.

Como prevenir o sarampo, rubéola e papeira?

Em Portugal, existe uma vacina combinada denominada VASPR (vacina contra sarampo, parotidite epidémica e rubéola), que está incluída no Programa Nacional de Vacinação, disponível para todas as pessoas, a partir de 1 ano de vida, de forma gratuita.

Veja quais as características desta vacina:

Contraindicações

Estas são as contraindicações mais importantes da VASPR:

  • Gravidez
  • Tuberculose ativa não tratada
  • Imunodepressão grave, primária ou adquirida (2.3.2 Alterações imunitárias)
  • Terapêutica imunossupressora
  • Não deve ser administrada a dador vivo nas 4 semanas antes do transplante

Precauções

Devem ser tidas em conta as seguintes precauções, antes da administração da vacina:

  • Em caso de doença aguda grave, com ou sem febre, aguardar por recuperação completa para vacinação
  • Em caso de reações alérgicas anteriores a algum dos componentes da vacina, a criança deve ser referenciada a consulta de Imunoalergologia para investigação
  • Em caso de imunodeficiências primárias ou adquiridas não graves (incluindo infeção por VIH), a vacina deve ser prescrita pelo médico assistente
  • A administração anterior de outras vacinas, transfusões ou terapêuticas contendo imunoglobulinas, deve ter sido feita pelo menos há:
  • tétano – 3 meses
  • hepatite A – 3 meses
  • hepatite B – 3 meses
  • raiva – 4 meses
  • varicela – 5 meses
  • sarampo – 6 meses
  • imunoglobulina anti-D – 3 meses
  • transfusão de eritrócitos – 5 meses
  • transfusão de sangue total – 6 meses
  • imunoglobulina moduladora 400mg – 8 meses, 1.000 mg – 10 meses, mais de 1.600 – 11 meses
  • Intolerância hereditária à frutose (contém sorbitol)
  • Consultar o médico assistente antes de administrar a vacina, caso existam doenças da coagulação
  • Se a administração de outras vacinas vivas injetáveis não for simultânea deve respeitar-se um intervalo mínimo de 4 semanas entre vacinas
  • A mulher não deve engravidar durante o prazo de um mês após a vacinação

Reações adversas

Estas são as reações adversas mais frequentes da vacina VASPR

  • Nas primeiras 24 horas: dor, vermelhidão, tumefação e sensibilidade, que duram 2 a 3 dias
  • 6 a 12 dias após a vacinação: febre superior a 39,4ºC
  • 6 a 10 dias após a vacinação: vermelhidão (duram 1 a 2 dias);
  • 10 a 14 dias após a vacinação: Aumento das glândulas parótidas
  • Em mulheres, pode ocorrer dor nas articulações (1 a 3 semanas após a vacinação), que pode durar 1 a 3 semanas.

Todas estas reações são menos frequentes após a segunda dose e as reações graves são raras.

Dose e via de administração

A vacina é normalmente injetada no braço direito, com 0,5 mL por via intramuscular ou subcutânea

O sarampo, rubéola e papeira são doenças que podem ser facilmente prevenidas com a vacina combinada.

Conhecer as possíveis reações adversas, precauções e contraindicações é recomendado mas, em caso de dúvida, entra em contacto com o seu médico.

O conteúdo aqui apresentado é da exclusiva autoria e responsabilidade do seu autor, não tendo a MSD qualquer controlo sobre o mesmo.

Partilhar