fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Carlos Daniel Santos
Escrito por:

Carlos Daniel Santos Mestre em Medicina, Licenciado em Saúde Ambiental e em Radiologia e investigador na área de Saúde da Mulher

MSD Portugal
Com o apoio de:

MSD INVENTING FOR LIFE

Meningite B: sintomas, causas e como prevenir

A meningite B é um dos tipos mais graves desta doença. Descobre o que é, como se transmite, e como te podes proteger a ti e à tua família.

A meningite é uma doença transmissível causada pela inflamação das meninges, que são membranas que protegem o cérebro e a medula espinal. Dentro desta doença, um tipo específico, a meningite bacteriana, é especialmente grave. Descobre tudo sobre a meningite B, o que é, os sintomas mais comuns e como prevenir.

O que é a meningite B?

A meningite é uma doença transmissível provocada por vários microrganismos, vírus, fungos, parasitas e bactérias e que causa a infeção das meninges (as membranas que recobrem o cérebro e a medula espinal). De entre as bactérias que causam meningite, a Neisseria meningitidis é a responsável pela maioria das meningites bacterianas, que em todo o mundo infetam 1,2 milhões de pessoas e são responsáveis por 135.000 mortes por ano, principalmente em crianças e adultos jovens.

A Neisseria meningitidis possui 12 grupos diferentes, sendo os A, B, C, W, X e Y os responsáveis pela maioria dos casos de doença meningocócica invasiva. Na Europa, a bactéria meningocócica do grupo B é responsável pela maioria dos casos de doença meningocócica infantil, estando a incidência a diminuir na última década. Isto deve-se aos avanços no diagnóstico e tratamento médico e também pela introdução da vacina nos Programas Nacionais de Vacinação de vários países, conferindo assim uma proteção aumentada contra a Neisseria meningitidis, até pelo menos dois anos após a sua administração.

A meningite bacteriana pode ser fatal em apenas algumas horas ou deixar sequelas como a perda de membros ou a perda de audição, caso não seja detetada em tempo útil e administrado o tratamento adequado. Assim, a sua deteção precoce é de grande importância, pelo que os pais e os cuidadores de crianças devem conhecer os principais sinais e sintomas, bem como as medidas de prevenção.

Quais os sinais e sintomas?

A apresentação inicial típica de meningite por Neisseria meningitidis consiste no início súbito de febre, náuseas, vómitos, cefaleia, confusão e dores musculares.  Com o decorrer da infeção, poderão surgir outros sinais e sintomas, tais como:

  • Irritabilidade
  • Cansaço extremo
  • Agitação psicomotora
  • Rigidez da nuca
  • Erupções da pele
  • Choro inconsolável

Caso a meningite não seja detetada, pode progredir para sépsis, uma infeção grave que pode afetar múltiplos órgãos e sistemas. Por isso, é essencial que os pais e os cuidadores de crianças, tenham conhecimento dos primeiros sinais de sépsis: dor nas pernas, mãos e pés frios e cor da pele anormal (palidez ou manchas).

Qual a forma de transmissão?

A Neisseria meningitidis é uma bactéria presente no trato respiratório do ser humano e sendo assim, pode ser transmitida através de gotículas dispersas no ar ou de secreções nasais presentes em superfícies.

A tosse, os espirros, os beijos e a proximidade física, favorecem o contágio por N. meningitidis, pelo que deve ser evitado o contacto com pessoas eventualmente contaminadas. O período de contágio persiste até que a bactéria desapareça da rinofaringe, o que acontece cerca de 24 horas após o início do tratamento adequado.

Caso exista o contágio, os sintomas poderão surgir entre o primeiro e o décimo dia, sendo que em média surgem por volta do quarto dia.

Como prevenir a meningite B?

O melhor método para a prevenção é a vacina contra a meningite B, usualmente designada por MenB.

Em Portugal, a vacina foi introduzida no Programa Nacional de Vacinação e é administrada a todas as crianças, desde outubro de 2020, em três doses: 2, 4 e 12 meses, se a idade for até aos dois anos. As crianças entre os dois e os cinco anos deverão fazer apenas duas doses.

Existem algumas reações adversas após a administração desta vacina, que deverão ser tidas em conta:

Reações locais mais frequentes

  • Sensibilidade e dor no local da injeção
  • Vermelhidão
  • Inchaço ou induração no local da injeção

Reações gerais mais frequentes

  • Febre
  • Irritabilidade
  • Diarreia
  • Vómitos
  • Perturbações alimentares
  • Sonolência
  • Choro anormal
  • Erupção cutânea

Os adolescentes poderão ainda sentir mal-estar geral, náuseas, dores de cabeça, dores musculares e dores nas articulações.

O aparecimento de febre é mais frequente nas crianças com menos de 2 anos de idade, sobretudo quando a vacina é administrada simultaneamente com outras vacinas do PNV, podendo ser reduzida pela administração de paracetamol, nas doses recomendadas.

Quanto à sua eficácia, genericamente, situa-se pelos 85 a 90%. Ou seja, após a administração das doses preconizadas, o organismo humano é capaz de produzir anticorpos protetores em doses adequadas.

Existe tratamento?

É recomendado o internamento hospitalar em todos os casos de meningite bacteriana, pois esta doença é considerada uma emergência médica, pelo elevado risco de causar lesões graves.

Assim, é necessária a monitorização e acompanhamento médico contínuo, com a administração de antibióticos e fluídos diretamente na veia, para prevenir a desidratação. Em alguns casos, mais graves, é necessário o aporte de oxigénio através de uma máscara facial ou de medicação corticosteroide (anti-inflamatório potente) para ajudar a reduzir algum volume que exista em torno do cérebro e desta forma prevenir eventuais lesões neurológicas.

O internamento hospitalar pode durar alguns dias e, em certos casos, o tratamento pode ser necessário por várias semanas, prolongando a estadia no hospital. Mesmo depois de ir para casa, pode ser necessário tratamento adicional para prevenir lesões mais graves, como a perda de audição.

Conclusão: é importante estar informado sobre a meningite B

As causas da meningite são de origem diversa, sendo que as infeções virais e bacterianas são as mais comuns. A melhor forma de prevenir é através da vacinação e evitando o contacto com pessoas potencialmente infetadas. É importante reafirmar a segurança de todas as vacinas comercializadas, embora possam surgir efeitos secundários menores.

Partilhar