fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Carlos Daniel Santos
Escrito por:

Carlos Daniel Santos Mestre em Medicina, Licenciado em Saúde Ambiental e em Radiologia e investigador na área de Saúde da Mulher

Conjuntivite no bebé: como identificar e o que fazer

Saiba quais as principais causas de conjuntivite no bebé e como deve atuar, consoante cada caso

A conjuntivite no bebé é uma infeção viral ou bacteriana do olho, geralmente aguda, caracterizada pelo surgimento rápido de sintomas específicos, tais como olhos vermelhos, comichão, lacrimejo, exsudado ocular, entre outros, e que podem durar alguns dias, afetando a visão do bebé.

O que é a conjuntivite do bebé?

A conjuntivite no bebé caracteriza-se pela infeção do olho, causada por bactérias, vírus, pelo contacto com determinados produtos químicos ou com alergénios, e é bastante comum nas crianças, especialmente quando estão em contacto com outras crianças com conjuntivite. Cerca de 1 a 12% dos recém-nascidos poderão ter conjuntivite, a chamada oftalmia do neonatal, que se caracteriza pela existência de líquido purulento nos olhos durante o primeiro mês de vida e que, usualmente, é adquirida durante o parto.

Conjuntivite no bebé

O que causa a conjuntivite no bebé?

A conjuntivite nas crianças mais pequenas é usualmente causada pelo contacto com outras crianças que tenham conjuntivite, sendo que nos recém-nascidos pode ter origem secundária na toma de medicação profilática com nitrato de prato (a chamada conjuntivite química). Ainda no grupo das crianças pequenas, caso exista contacto ocular com produtos químicos, por exemplo alguns produtos de limpeza, pode haver uma agressão ocular que provoque esta inflamação ocular.

Estes são os agentes patogénicos mais comuns que estão na origem das conjuntivites nos bebés, bem como nas crianças:

Conjuntivite no bebé

Como identificar a conjuntivite no bebé?

Tal como já explicamos, a conjuntivite no bebé pode ter várias causas e por isso os sintomas podem ser variados. Nesta tabela podes encontrar os principais sintomas para cada um dos motivos associados e que te podem ajudar a identificar uma conjuntivite:

Conjuntivite no bebé

Como tratar a conjuntivite no bebé?

O tratamento da conjuntivite no bebé e nas crianças passará por tratar a causa da mesma. No entanto, existem medidas gerais, tais como a lavagem das pálpebras com uma compressa e água quente (no sentido de fora para dentro) que podes adotar e deves sempre questionar o médico sobre a aplicabilidade das mesmas. Nesta tabela podes encontrar os tratamentos para as várias conjuntivites de acordo com a causa:

Conjuntivite no bebé: como tratar

Como posso prevenir a conjuntivite no bebé?

Existem medidas gerais que devem ser adotadas, nomeadamente: a lavagem frequente das mãos com água e sabão, usar toalhas independentes, evitar o contacto entre crianças sem conjuntivite e crianças com conjuntivite que estejam no período contagioso.

No caso da conjuntivite bacteriana, o período contagioso termina cerca de 24 horas após o início do tratamento. As crianças podem retornar à escola após este período, mas é muito importante que completem o tratamento antibiótico tal como indicado pelo médico, para remissão completa da infeção.

Conjuntivite no bebé

No caso da conjuntivite viral, o período contagioso termina cerca de 7 dias após o início dos sintomas, pelo que devem ser tomadas as medidas gerais de higiene pessoal. Caso seja necessário, deve-se iniciar a toma de medicação, completando o tratamento de acordo com a prescrição médica.

No caso dos recém-nascidos, é habitual que após o parto (vaginal ou por cesariana) seja administrado o nitrato de prata de forma profilática, ou seja, para prevenir a oftalmia gonocócica. No entanto por vezes, a toma deste medicamento pode levar a uma conjuntivite química no bebé (cerca de 1% dos recém-nascidos). Como alternativa ao nitrato de prata, podem ser administrados medicamentos igualmente eficazes e com menor potencial irritativo, como é o caso da eritromicina 0,5% em toma única ou uma pomada de tetraciclina a 1%.

Partilhar