fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Manuela Cardoso
Escrito por:

Manuela Cardoso Nutricionista; Docente de Nutrição Pediátrica; Colaboradora do Banco do Bebé

Alimentação vegan para bebé: riscos e dicas

Não há como ignorar. Muitos estudos têm vindo a legitimar a alimentação vegan como promotora da saúde, justificada pela total ausência de gordura saturada, pela presença generosa de muitas vitaminas e minerais e ainda pela abundância de fibra. Muitas famílias, cada vez mais, têm vindo a optar por esse padrão alimentar. Não é isento de riscos, contudo. Estão documentadas carências de vitamina B12 e D, ácidos gordos ω3, cálcio, ferro e zinco.

Por outro lado, incluir alimentos saudáveis no plano alimentar, não é exatamente sinónimo de alimentação saudável. Temos mesmo que avaliar o conjunto e adaptar a cada momento da vida.

A grande preocupação de muitos pais assenta, e muito bem, na adequação deste padrão alimentar a crianças pequenas. É que as crianças têm necessidades nutricionais elevadas em relação ao peso corporal, por isso são particularmente vulneráveis a carências nutricionais, que lhes limitam o crescimento e o desenvolvimento cognitivo.

O que introduzir na alimentação do bebé

Proteína

O crescimento remete-nos de imediato ao aporte proteico e sim, a proteína vegetal tem um menor valor biológico, o que nos obriga a consumir maior quantidade para obter o mesmo efeito da proteína animal.

Mas é muito fácil de obter, acreditem. Leguminosas, derivados de soja, cereais integrais, frutos secos e sementes, são boas fontes de proteína vegetal.

Aqui vão alguns exemplos:

Alimento Quantidade Gramas de proteína
Carne / Peixe 30g (1/3 de um baralho de cartas) 7
Tofu 50g 4,5
Feijão cozido 30g (4 colheres de sopa) 6,3
Tremoços 60g (1 pires) 9,8
Amêndoas 23 unidades 4,9
Quinoa 45g (4 colheres de sopa) 3,8
Pinhões 2 colheres de sopa 6,6
Sementes de cânhamo 20g (2 colheres de sopa) 4
Fibra

Se pensarmos, contudo, em crianças pequenas, com necessidades nutricionais acrescidas, temos uma limitação importante pelo caminho: alimentos vegetais ricos em proteína, têm também grande quantidade de fibra.

A fibra diminui a densidade calórica dos alimentos (a necessidade de energia/kg está aumentada, lembram-se?), diminui a absorção das gorduras (que dão calorias, são importantíssimas na construção do cérebro e ainda auxiliam a absorção das vitaminas A, D, E e K) e minerais e ainda aumenta a saciedade (que é meio caminho andado para a recusa alimentar, ou seja, para reduzir o aporte proteico e calórico).

Desistimos já? Ainda não! Podemos limitar a sobrecarga de fibra se oferecermos purés de leguminosas sem pele, cereais não integrais, frutas sem casca, iogurte de soja, tofu.

Nos primeiros 3 anos de vida estão desaconselhadas as bebidas vegetais, ainda que fortificadas e isentas de fibra.

Ferro e Vitamina B12

Um outro ponto sensível no padrão alimentar vegan é o consumo de ferro e vitamina B12, cuja carência conduz a anemia, que inevitavelmente levará a restrição de crescimento e suas consequências nefastas.

Curiosamente, o risco de carência de ferro não é por consumo diminuído, mas pela menor biodisponibilidade a partir de vegetais. Mais uma vez não precisamos de desistir, porque o risco de carência pode ser contornado. Convido-vos a ler outros textos já publicados sobre o consumo de ferro e estratégias para otimizar a sua absorção.

Relativamente à vitamina B12, sendo exclusivamente de origem animal, obriga à toma regular de um suplemento alimentar. Crianças amamentadas recebem esta vitamina pelo leite materno, desde que as suas mães não sejam carentes.

Cálcio

Estando a pensar em crianças e no seu crescimento, somos conduzidos ao tema da robustez óssea e suprimento de cálcio.

É fácil obter este mineral se a ementa incluir amêndoas, brócolos, couve galega e couve lombarda, entre outros vegetais. Não esquecer que o cálcio se dissolve facilmente na água, o que torna a sopa numa aliada de peso.

Alguns estudos chegam a afirmar que as crianças vegetarianas necessitam de menor quantidade de cálcio, porque ao trocar a carne por vegetais, produzem menos ácido – situação que leva a um melhor aproveitamento de cálcio pelo organismo.

Os bebés recebem­-no a maioritariamente através do leite materno ou de fórmula, que também lhes garante o consumo de zinco, outro micronutriente essencial para o crescimento e desenvolvimento do sistema imunitário.

São bons fornecedores de zinco as leguminosas e frutos gordos, mas lá vem também uma boa quantidade de fibra. Precisamos sempre de fazer contas à fibra que oferecemos diariamente às crianças, sobretudo quando têm menos de 1 ano.

Este tema não se esgota aqui. Ficamos apenas com algum trabalho de casa.

Conjugar alimentos é uma ciência, mas se à ciência pudermos juntar alguma criatividade, ficaremos com o melhor de todos os mundos – a nossa filosofia de vida, os nutrientes que nos mantêm saudáveis e os caprichos do nosso paladar.

Para a próxima falaremos sobre gorduras, “armadilhas” da alimentação vegan e ainda sobre recomendações concretas em função da idade.

Até lá!

Partilhar