fbpx
Teresa Melo
Escrito por:

Teresa Melo Professora de Hatha Yoga

Yoga durante a gravidez | trimestres e as suas posturas

O Yoga proporciona uma fuga às exigências que chegam durante este ciclo sublime. A sua prática regular garante o movimento, a rapidez, a elasticidade, a força e a coordenação de um corpo em permanente mudança, assim como a capacidade de dar resposta aos inúmeros desafios diários.

Mas a gravidez não é o momento para experimentar sequências exigentes. Adequando a prática às demandas de cada trimestre, deve ser simples e adaptada aos teus limites. Progressivamente, a intuição dir-te-á para onde ir, a coragem ultrapassará o medo e vais sentir-te confiante para continuares serenamente. Isto é autoconhecimento.

É importante valorizares as tuas necessidades. Até às dez semanas o risco de abortar é maior. Qualquer actividade física durante esse período deve incentivar a um ambiente ideal no útero para garantir a boa formação do embrião.

Por sua vez, a grande maioria das posturas vai merecer a atenção especial dos acessórios. Deves mantê-los por perto para que te possas ajustar facilmente. No final, a descontracção neuromuscular deve ser treinada, deitada de lado ou de costas com o apoio de um bolster ou de uma almofada. Vai saber-te bem terminar com um exercício básico de respiração. É um veículo de conexão com o teu bebé.

Yoga no primeiro trimestre da gravidez

Durante o primeiro trimestre queres criar elasticidade na musculatura pélvica e uterina. As posturas sentadas como Baddha Konasana e Gomukhasana garantem a boa circulação sanguínea para essas zonas e a criação de espaço para o feto. Juntamente com a respiração que se aprofunda, o sistema nervoso tranquiliza-se. Sentirás segurança, força e energia. As invertidas devem ser evitadas para não estimular a circulação longe do útero, tal como as hiperextensões devido ao alongamento intenso do abdómen.

Yoga no segundo trimestre da gravidez

A partir do segundo trimestre a prática prossegue. É a altura ideal para introduzir as posturas de pé como Tadasana e Urdhva Hastasana, fortalecendo os braços e as pernas. As extensões e flexões, com moderação, são óptimas para flexibilizar a coluna. As posturas de equilíbrio como o Vrksasana podem ser feitas com o apoio da parede. As torções fechadas como Parivrtta Trikonasana evitam-se devido à pressão que exercem sobre o abdómen. Já as torções abertas (por exemplo Parivrtta Janu Sirsanana) aconselham-se para aliviar as dores na região lombar.

Yoga no terceiro trimestre da gravidez

No terceiro trimestre, o foco está na preparação para o parto. As posturas de pé como Utthita Trikonasana e Virabhadrasana I e II são boas para continuar a reforçar a musculatura das pernas e restabelecer o alinhamento adequado da coluna vertebral bastante sacrificada com o peso que carrega. Certifica-te que estás perto da parede ou de uma cadeira, caso percas o equilíbrio. Mantém-se o trabalho de abertura pélvica para a diminuir a tensão na lombar e dar mobilidade às articulações sacroilíacas. Evita as invertidas e torções fechadas, assim como as extensões para não aumentar a pressão no abdómen, articulações e ligamentos.

Gradualmente, o receio do trabalho parto é substituído por calma e confiança em ti própria. Relembrarás que os mecanismos em todas as fases são simples e naturais. É só escutar e acreditar na tua sabedoria interior.