fbpx
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR
NOME
E-MAIL
SEMANA DE GRAVIDEZ
X FECHAR

Obrigado

Enviado com sucesso. O seu ebook vai a caminho

Ana Barbosa Rodrigues
Escrito por:

Ana Barbosa Rodrigues Mestre em Medicina - Interna da Formação Específica de Pediatria

MSD Portugal
Com o apoio de:

MSD INVENTING FOR LIFE

A importância da vacinação do bebé

O que são as vacinas?

As vacinas são substâncias produzidas em laboratório através de substâncias vivas inativadas, atenuadas ou mortas de vírus ou bactérias, que estimulam a produção de anticorpos no organismo contra essas doenças. Assim, protegem contra a infeção ou reduzem a intensidade dos sintomas. As vacinas são feitas através de uma injeção ou administração oral.

Todas as vacinas autorizadas no mercado europeu, e em Portugal, têm um elevado grau de segurança, eficácia e qualidade, tendo sido largamente estudadas.

O que é o Programa Nacional de Vacinação?

O PNV tem o objetivo de proteger os indivíduos e a população em geral das doenças que podem constituir ameaça à sua saúde individual e pública, e para as quais existe proteção eficaz por vacinação. É um programa universal, gratuito e acessível a todas as pessoas em Portugal.

Que vacinas faz o meu bebé na maternidade?

Na maternidade é feita a 1ª dose da vacina da Hepatite B. Depois disso, as vacinas são feitas no Centro de Saúde. Para ter acesso às vacinas do PNV basta dirigir-se a um Centro de Saúde, onde será vacinado ou encaminhado para o local mais próximo onde seja possível realizar a vacinação, mesmo que esteja inscrito noutro Centro de Saúde ou ainda não esteja registado no SNS.

Quais são as vacinas do 1º ano de vida?

A vacinação no primeiro ano de vida deve ser cumprida nas idades recomendadas, sem atraso, uma vez que este é o período de maior vulnerabilidade e a vacinação precoce pode evitar doenças graves.

2 meses:
  • Vacina hexavalente (vacina contra difteria, tétano, tosse convulsa, doença invasiva por Haemophilus influenzae tipob, poliomielite e hepatite B) – administrada na coxa esquerda;
  • Vacina contra doença invasiva por Neisseria meningitidis B – administrada na coxa esquerda;
  • Vacina contra infeções por Streptococcus pneumoniae de 13 serotipos – administrada na coxa direita;
  • Vacina contra Poliomielite – administrada na coxa direita.
4 meses:
  • Vacina pentavalente (vacina contra difteria, tétano, tosse convulsa, doença invasiva por Haemophilus influenzae tipob e poliomielite) – administrada na coxa esquerda;
  • Vacina contra doença invasiva por Neisseria meningitidis B – administrada na coxa esquerda;
  • Vacina contra infeções por Streptococcus pneumoniae de 13 serotipos – administrada na coxa direita;
  • Vacina contra Poliomielite – administrada na coxa direita.
6 meses:
  • Vacina hexavalente (vacina contra difteria, tétano, tosse convulsa, doença invasiva por Haemophilus influenzae tipob, poliomielite e hepatite B) – administrada na coxa esquerda;
  • Vacina contra Poliomielite – administrada na coxa direita.
12 meses:
  • Vacina contra doença invasiva por Neisseria meningitidis B – administrada no braço esquerdo;
  • Vacina contra doença invasiva por Neisseria meningitidis C – administrada no braço esquerdo;
  • Vacina contra infeções por Streptococcus pneumoniae de 13 serotipos – administrada no braço direito;
  • Vacina contra o sarampo, parotidite epidémica e rubéola – administrada no braço direito.

O que devo fazer se o meu bebé tiver as vacinas atrasadas?

Se tiver as vacinas atrasadas deve fazê-las o mais cedo possível, de forma a atualizar o esquema vacinal e cumprir o PNV. Mesmo que já tenha ultrapassado a idade recomendada, devem ser feitas na mesma.

Devo fazer paracetamol ao bebé antes das vacinas?

No caso das vacinas que dão, frequentemente, febre, como o caso da vacina da Meningite B, pode ser feito paracetamol preventivamente, após administração da vacina e não antes.

O meu bebé está doente, devo ir fazer as vacinas?

As precauções e contraindicações para realização das vacinas são raras, pelo que se for uma doença aguda ligeira, mesmo que com febre, as vacinas podem ser feitas na mesma. O mesmo se estiver constipado, com diarreia ou se estiver a fazer antibiótico. Fale sempre antes com o seu médico assistente e ele irá ajudar nas indicações.

O que devo fazer se perder o boletim de vacinas?

Se perder o boletim de vacinas na próxima ida ao Centro de Saúde fale com as enfermeiras.

A vacinação durante a pandemia da COVID-19

São muitos os pais com receio e dúvidas sobre se mesmo durante a pandemia da COVID-19 as vacinas dos seus filhos são fundamentais ou não. A resposta é que não devem parar ou atrasar as vacinas que o(s) seu(s) filho(s) tinha(m) programadas, principalmente em casos até aos 12 meses – aqui a vacinação é uma prioridade, que não deve ser adiada. Em relação às vacinas depois dos 12 meses existe mais flexibilidade.

Porque é que é importante manter as vacinas em dia mesmo durante a pandemia?

É essencial manter a vacinação no primeiro ano de vida pois é fundamental para que, para além da COVID-19, não existam surtos de sarampo, meningites ou tosse convulsa. Isto porque apesar de ultimamente não ouvirmos falar destas doenças, elas continuam a existir e temos de nos manter prevenidos e em segurança – o que é possível através da vacinação.

Acrescentamos que outra preocupação são os grupos de risco, crianças vulneráveis a quem são recomendadas vacinas específicas, e as grávidas que não devem deixar de tomar a vacina da tosse convulsa (o mais tardar até às 32 semanas de gestação).

Quais são os cuidados que deve adotar para cumprir a vacinação durante a pandemia?

Neste período de pandemia, é importante que entrem em contacto com as unidades de saúde mais próximas da residência para marcar e agendar as vacinas, para que quando se deslocarem ao local, esteja tudo preparado para vos receber em segurança.

Cada criança deverá apenas ser acompanhada por um dos cuidadores. Nunca é demais repetir a importância de manter as regras do distanciamento social e de higienização das mãos e etiqueta respiratória que a Direção Geral de Saúde recomenda.

Partilhar